Quebrando a banca

Sexta-feira é dia de dica de cinema para o seu final de semana e, o de hoje trata sobre liderança e comando.

O filme Quebrando a banca, (Estados Unidos, 2008), é um história sobre talentos – gente Y, que estudou em escolas de elite, tem ou teve professores brilhantes, gosta de desafios e de lidar com questões complexas e importantes no trabalho.

Mesmo não tratando diretamente desse tema, o filme constrói uma excelente ambientação, que nos mostra como são esses jovens – no filme, alunos escolhidos a dedo pelo professor Rosa, do MIT, para comporem seu grupo de jogadores de blackjack, que irão “quebrar a banca” nos cassinos de Las Vegas e ganhar muito, mas, muito dinheiro com isso.

São esses jovens que fazem parte do grupo que serão os altos executivos, as personalidades do mundo dos negócios, poucos anos apenas depois de se formarem. Aliás, o espectador não deve se impressionar com o fato de que Ben, o jovem que é o personagem central da história, já está aceito para cursar a faculdade de Medicina, razão por que necessita do dinheiro que irá ganhar no jogo. No fundo, esse é um detalhe que não vem ao caso: o perfil dos jovens da geração Y apresentado mais adiante, quando se dirigem à carreira executiva em grandes organizações, em nada difere, fundamentalmente, dos outros jovens da mesma geração que seguirão carreiras de medicina, direito, pesquisa acadêmica, por exemplo.

É bem a esse tipo de público que Ben e os demais alunos do professor Rosa exemplificam que se dirigem, hoje, aos programas de estagiários nas grandes empresas e, em especial, aos programas de trainees.

É esse tipo de jovem que as empresas querem empregar! Mas, a questão é: que tipo de gente é essa?

Assista ao filme e descubra!

Boa diversão.

Fonte: Livro Os filmes que todo gerente deve ler, Marco A. Oliveira e Pedro Grawunder, uma publicação